sexta-feira, 11 de abril de 2014

Homossexuais nas igrejas -



A paz do Senhor irmãos, amigos em Cristo e leitores do PROJETO JAE.

Há alguns dias venho meditando na palavra de Deus acerca de como vivê-la na prática em conformidade com a vontade de Cristo no dia que se chama hoje. A Bíblia diz que a Palavra de Deus é "viva e eficaz" (Hebreus 4:12) . Por este motivo estou compartilhando um texto que me fez repensar minhas atitudes, conceitos e pensamentos enquanto Cristão. Como o próprio autor destaca no início do texto, trata-se de um assunto delicado, que deve ser lido com calma e atenção. Que o Espírito Santo lhe dê entendimento. 

O assunto de que desejo tratar hoje é extremamente delicado, em especial em nossos dias: homossexuais nas igrejas. Por isso, se você for adiante na leitura, é importante que leia com muita calma e atenção o texto a seguir (que é longo), porque, caso contrário, a probabilidade de que tenha um entendimento errado acerca da reflexão que levanto aqui é enorme. Não é novidade para ninguém que existe atualmente uma forte tensão entre as igrejas (evangélica ou católica) e a militância LGBT, formada por homossexuais. Não quero entrar pelo mérito das polêmicas, PL 122, nada disso. Já tem gente demais falando sobre o assunto pelo viés político, debatendo aspectos legais e similares. Não quero falar sobre a “cura gay”, o “casamento gay” ou qualquer outra controvérsia macro.


O que me interessa aqui é tratar especificamente do âmbito da alma humana e do amor pelo próximo.
Acerca da homoafetividade em si não há muito o que dizer. Cientificamente e psicologicamente, ninguém até hoje sabe o que leva uma pessoa a ser homossexual. Eu não sei, você não sabe, ninguém sabe. Há muitas teorias, todas inconclusivas. Mas o que todos sabem é que, para a fé cristã, a prática homossexual é pecado. Ponto. Não sou eu quem diz, está na Bíblia. Não é uma questão de opinião pessoal, é algo afirmado no livro sagrado do cristianismo. Se você crê na Bíblia vai acreditar nisso; se não crê, não vai. Logo, o que está em debate não é se a prática homossexual é biblicamente pecado ou não. À luz das Escrituras, os cristãos encontram a resposta em passagens como:
“Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão.” (Rm 1.26-27).

“Não se deite com um homem como quem se deita com uma mulher; é repugnante.” (Lv 18.22).

“Vocês não sabem que os perversos não herdarão o Reino de Deus? Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos e nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus.”  (1Co 6.9-10).

“Sabemos que a Lei é boa, se alguém a usa de maneira adequada. Também sabemos que ela não é feita para os justos, mas para os transgressores e insubordinados, para os ímpios e pecadores, para os profanos e irreverentes, para os que matam pai e mãe, para os homicidas, para os que praticam imoralidade sexual e os homossexuais, para os sequestradores, para os mentirosos e os que juram falsamente; e para todo aquele que se opõe à sã doutrina” (1Tm 1.8-10).

Portanto, para a fé cristã, o evangelho de Jesus Cristo, a Bíblia sagrada, o cristianismo… a prática homossexual é pecado – ou seja, algo que contraria a vontade de Deus. Isso é um fato de fé, ou seja: crê quem crê; não crê quem não crê.
O que gostaria de trazer à reflexão é a forma como nós, cristãos, temos lidado com seres humanos homossexuais que chegam às nossas igrejas. Sejamos francos: a maioria de nós, membros ou líderes, não sabe muito bem o que fazer quando alguém entra em nossa congregação e diz: “Sou homossexual, creio que a prática homossexual é pecado e amo Jesus Cristo, meu Senhor e Salvador”. E esse nosso despreparo nos tem feito ferir – acredito eu que, na maioria das vezes, sem querer – muitas almas. Que deveriam ser amadas, tratadas, cuidadas, acolhidas, discipuladas.

Conheço todas as teorias. Já ouvi que homossexuais são endemoninhados, que decidiram ser gays, que são fruto de uma mutação genética, que tiveram traumas de infância… há muitas explicações para o que faz um homoafetivo ser homoafetivo. A verdade é que, até hoje, ninguém sabe. Ninguém comprovou nada. Há muita especulação sendo proclamada como fato irrefutável, mas, na realidade, não há nenhuma resposta definitiva. Para muitos, não tem nem o que discutir: se é gay basta passar por um “processo de libertação” e a pessoa se tornará heterossexual. Ou basta decidir não ser mais gay de uma hora para outra e pronto. É o que dizem, mas… sinceramente? Eu não sei. Não sei a causa da homossexualidade. Não sei como resolver o caso de alguém que é gay e diz que não quer mais ser. Honestamente, não sei. Deixo a questão para os especialistas.
Enquanto o debate sobre aspectos políticos, legais, psicológicos, científicos e similares segue a todo vapor, vejo homossexuais entrarem pelas portas de nossas igrejas, confessarem Jesus como Senhor e Salvador e passarem a viver entre nós. É aí? Como lidamos com eles? Será que temos amado essas pessoas? Será que temos estendido graça a elas? Será que as discipulamos com carinho, respeito e amor ou as discriminamos, segregamos, ofendemos, machucamos, expulsamos, extirpamos de nosso meio?
Afinal, lidamos com uma certa tranquilidade e/ou tolerância em nossas igrejas com indivíduos sobre os quais a Bíblia diz que “Aqueles que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus” (Gl 5.21), como idólatras (de bens, dinheiro ou pessoas) que dizem professar a fé em Cristo; como gente que odeia e diz professar a fé em Cristo; indivíduos que promovem a discórdia e dizem professar a fé em Cristo; ciumentos que dizem professar a fé em Cristo; irados que dizem professar a fé em Cristo; egoístas que dizem professar a fé em Cristo; invejosos que dizem professar a fé em Cristo; e gente que promove dissensões e facções mas diz professar a fé em Cristo. Só que, quando se trata de um gay que diz professar a fé em Cristo… ficamos meio perdidos.

Então, esta é a grande pergunta deste texto: como eu e você tratamos um gay que entra em nossa igreja?

Um jovem cujo nome vou manter no anonimato deixa, há algum tempo, comentários no APENAS. Ele é gay. Nascido e criado na igreja evangélica, afirma que ama Jesus. Sua experiência congregacional, no entanto, é péssima. Ele alega ter sido maltratado e discriminado a tal ponto pelos irmãos na fé que sua alma carrega feridas profundas. Ele compartilha a visão bíblica de que a prática homossexual é pecado e não nega isso em nenhum momento. Mas suas palavras mostram alguém perdido em meio ao tiroteio, num conflito profundo entre sua fé e sua realidade afetivo-sexual. Eu o convidei para escrever um texto sobre sua experiência como homossexual dentro da igreja, que vou reproduzir a seguir. Com que finalidade? Nos fazer refletir. Para que possamos pensar sobre o que se passa no coração de seres humanos gays que creem que a prática homossexual é pecado e afirmam seu amor por Cristo. Pois eu e você sabemos perfeitamente o que dizem os cristãos sobre a homossexualidade. Sabemos perfeitamente o que os homossexuais não cristãos dizem sobre a homossexualidade. Mas… e um homossexual que professa a fé em Cristo e repudia sua homossexualidade, você sabe o que ele diz? O que sente? Que conflitos enfrenta?


Que fique claro: sou cristão e, como tal, creio no que a Bíblia diz sobre a prática homossexual. No entanto, procuro não discriminar ninguém. Não tenho preconceitos, mas sim conceitos quanto ao assunto. E não sou homofóbico, pois não tenho fobia a homossexuais. Tampouco sou a favor da prática homossexual. Por outro lado, sou totalmente a favor de tratar gays como seres humanos. E penso que, se não sabemos como lidar com um gay que se senta nos bancos da igreja, está mais do que na hora de descobrirmos.
Não acredito que devemos passar a mão na cabeça do pecado. Mas creio piamente que devemos abraçar com todo o carinho do mundo o pecador.
Cedo agora a palavra ao meu convidado. Leia, Reflita. Questione. Critique. Tudo bem discordar dele. Tudo bem repensar atitudes suas. Não espero que todos concordem com esse rapaz ou que discordem dele, mas gostaria que você, pelo menos, pensasse um pouco sobre o que nós, evangélicos, fizemos a esse jovem (que representa uma multidão de pessoas em situação análoga à dele) para que ele se apresente como alguém tão ferido pela igreja. Será que poderíamos ter feito algo diferente?

Ao depoimento:

“Mexer em uma ferida pode ser algo doloroso e com certeza desagradável, ainda mais se esta ferida estiver aberta. Eu tenho uma ferida que foi aberta anos atrás, quando ainda era criança e, pelo visto, permanecerá assim por um longo tempo. Nasci e fui criado em um lar evangélico, meus pais são evangélicos (já não tenho mais pai); grande parte de meus parentes são ou evangélicos ou católicos. Estou com 31 anos e desde que criei consciência enfrento uma guerra contra o homossexualismo (digo homossexualismo e não homossexualidade pois me sinto patologicamente gay). A homossexualidade refere-se à dificuldade que o indivíduo tem de se relacionar com indivíduos do mesmo sexo, e não o oposto, como muitos pensam. São anos de luta interior, confusão e, obviamente, falta de apoio, já que costumamos temer o que não entendemos e a homossexualidade é um grande mistério tanto dentro quanto fora do sistema religioso.
O cerne desta questão é exatamente a dificuldade. Ela vem de todos os lados. Por muito tempo tentei manter uma vida religiosa saudável. Ia à igreja, orava, jejuava, lia a Bíblia com frequência, participava das atividades da igreja da qual era membro, mas sempre com este espinho na minha carne incomodando. Tentei resistir até onde pude, mas chegou o momento em que a solidão e os medos oprimiram tanto que decidi dar um tempo da igreja. Muitos questionamentos começaram a rondar minha cabeça. Ninguém escolhe ser homossexual. No meu caso escolheram para mim. Apesar de ter pais evangélicos, sofri tentativas de abuso de meu próprio pai! Perdoem o pleonasmo, mas poucas coisas conseguem reforçar o medo e angústia que a situação traz. Por muitas vezes pensei em pedir ajuda, mas quem acreditaria em um moleque que vivia à sombra da vontade soberana de seu pai? Ninguém daria crédito. Passei anos da minha vida com medo e frustrado, e, quando se passa muito tempo nesse estado, o sentimento se torna ódio. Desejei que meu pai morresse e, quando ele morreu, não senti remorso nem arrependimento, senti liberdade. Não que eu tenha prazer na morte dele, mas tenho na ausência.
Por vezes pensei em conversar com o pastor da igreja que frequentava, mas ele me aterrorizava. Não o considero um pastor além da formalidade do cargo, mas um mero fantoche de um sistema. Mudei de igreja na tentativa de mudar o quadro e no fim das contas nada mudou. Em maio deste ano conheci um rapaz, nos envolvemos e pude tirar muitas dúvidas. Mas a verdade é que não cheguei a conclusão nenhuma. Não sendo assumido, precisava me esconder, até que um dia fomos pegos pela polícia. Dois policiais tentaram nos extorquir, foi uma situação traumática e humilhante. Naquele momento entendi que meu lugar não era me escondendo, mas sim no caminho reto. Mas qual é este caminho reto? Abri mão do relacionamento, estou tentando me firmar na igreja novamente, tenho recebido ajuda de algumas pessoas. Escrevo um blog que me serve como um canal para catarse. Mas a dúvida continua. A guerra continua. Infelizmente a igreja está longe de saber lidar com indivíduos como eu. Sei que existem muitos rapazes e moças oprimidos pela homossexualidade dentro das igrejas e muitos não sabem como agir.
Dói profundamente ver que hoje, ao invés de amar e estender a mão àqueles que buscam ajuda, muitos têm usado a mídia e os púlpitos para conclamar uma guerra contra a comunidade homossexual. Não que eu seja a favor do PLC 122, mas, como alguém que sente na pele a rejeição e o preconceito, também não sou de todo contra. Somos culpados sim pelo mal que se alastra, pois não somos capazes (e falo como cristão) de seguir o exemplo de Cristo. Sei que não somos perfeitos, mas, como diz a letra da música, se a verdade é o que pregamos, por que erramos não sendo um?
Quantas histórias eu já ouvi de jovens que não suportam a pressão e veem no suicídio a resposta! E, muitas vezes, estamos discutindo valores que sequer temos em frente para passar! Meu Deus! Não é fácil lutar esta guerra, a maior parte do tempo ela é solitária. Acredito que alguns consideram homossexualidade o pecado-mor. Sei que, ao contrário do que a máxima popular diz que “pra Deus não há pecadinho nem pecadão”, há sim diferença de pecados, mas devemos entender que pecado significa errar o alvo, e o apóstolo Paulo, em Romanos 3.23, diz que TODOS pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Alguns se esquecem de que estamos todos encerrados debaixo do mesmo fardo, que é o pecado, e que só o sangue de Cristo pode nos limpar.
Quantas vezes quis trabalhar na igreja, mas era visto com desconfiança. Chegaram até o ponto de me dar um cargo em uma sexta-feira e tirar-me no sábado. Eu vi de perto a história de pessoas que estavam por um fio e foram chutadas de dentro da igreja. Hoje estão sem Deus e, o pior, as acusações contra estas pessoas foram as mais pesadas possíveis. Acredito que, se você quer ganhar alguém para sua causa, deve ser simpático e amável com a pessoa, no mínimo.
Como já disse, todos estamos encerrados debaixo do pecado. A igreja deveria se lembrar de que, quando Deus olha para a humanidade, Ele nos olha através do sacrifício de Cristo. Eu, mesmo sendo homossexual, estou sendo visto por Deus através de Cristo e do sacrifício que Ele fez. Jesus também morreu por mim! Queria saber como enfrentar e como ajudar aquelas pessoas que enfrentam a homossexualidade, mas definitivamente não sei. O que sei é que, sem amor, jamais serão ganhas para Cristo.
Um dos maiores eruditos cristãos da atualidade, o Dr. William Lane Craig, em seu livro Apologética para questões difíceis da vida, defende que ser homossexual não é pecado, afinal não parte de uma escolha do indivíduo, mas a prática da homossexualidade sim. Acredito que este pensamento esteja correto. Afinal, além de ele ser uma autoridade em questões bíblicas, para mim é exatamente o que faz sentido. Baseado nisso, um dos passos para se vencer esta batalha é exatamente a negação desta natureza. Dói demais, não queria saber o quanto. Quisera a igreja ter esta percepção e, ao invés de partir para o ataque, lembrar-se de que Cristo nos chamou para amar o pecador. Muitos também esquecem que a Palavra nos diz, em Efésios 6.12, que nossa luta não é contra carne nem sangue, mas sim uma batalha espiritual!
Eu decidi acreditar em Deus, decidi e concluí que não vale a pena trilhar o caminho da homossexualidade. Tudo que peço é que você que está lendo este texto agora e conhece alguém nesta situação pare e pense: o que Jesus faria? Como Ele trataria alguém que enfrenta este fardo? Se cada pessoa que me julgou e me apedrejou tivesse apenas orado pela minha vida, acredito que tudo estaria diferente agora. Sei que é difícil combater uma guerra quando não conhecemos direito nosso inimigo, mas a Igreja de Cristo tem ao seu lado o Conhecedor de TODAS AS COISAS. Por muitas vezes pensei que Deus ou teria um plano grandioso ou queria me enlouquecer. Muitas vezes beirei a loucura. Se você não sabe o que é passar mais de vinte anos negando sua natureza não tente entender. Não são vinte horas nem vinte dias, são vinte ANOS. Que Deus me ajude a seguir em frente”.



 É isso. Eu, Zágari, não sou homossexual. Mas sou um monte de outras coisas. E confesso: eu peco todos os dias. Ficaria feliz se meus irmãos em Cristo olhassem meus pecados e me ajudassem a superá-los, que dobrassem os joelhos ao meu lado e, mesmo sabendo da terrível natureza pecaminosa que tenho, orassem comigo e por mim. Ficaria feliz se não pisassem na minha cabeça ao tomar conhecimento das minhas iniquidades. Acredito que você, que também desobedece Deus dia após dia, desejaria que agissem assim com relação aos seus pecados. Não devemos nunca ser coniventes com o pecado. Com relação a ele, a única e exclusiva atitude que a Bíblia nos orienta a tomar é: arrepender-se, confessar e deixar. Mas, por favor, faça um  esforço e não deixe de me amar por causa dos muitos pecados diários que cometo; pelo contrário, ajude-me com amor cristão a superá-los. Tentarei fazer o mesmo com você, que peca muito e peca todos os dias. E seria ótimo se eu e você fizéssemos o mesmo com relação a todos os outros pecadores do mundo.
Espero que você consiga sentir em si a dor desse rapaz, que é a dor de muitas e muitas pessoas que vivem situações parecidas à dele. Para que, de fato, ame o próximo como a si mesmo – mesmo que considere o próximo um pecador. Pois “Se alguém afirmar: ‘Eu amo a Deus’, mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê.” (1Jo 4.20). Este post não traz respostas, mas deixa uma pergunta: será que temos amado como Jesus amou?

Paz a todos vocês que estão em Cristo,
 
Maurício

 Fonte: Publicado: 18/11/2013 em: http://apenas1.wordpress.com/2013/11/18/homossexuais-nas-igrejas/





quarta-feira, 15 de janeiro de 2014


A paz do Senhor Jesus amigos leitores do PROJETO JAE.

Primeira postagem de 2014 não poderia ser mais apropriada .... Século XXI, avanço tecnológico; acesso à informação como nunca houve; e em meio a tantas  informações disponíveis principalmente através da internet , é de se questionar não apenas para onde estamos indo, mas como estamos indo.  O texto abaixo merece ser lido e relido SEMPRE.

TEXTO RETIRADO DO SITE: "voltemos ao evangelho".Link no fim do texto.

Por que clicamos em links idiotas? Tony Reinke

Por “links idiotas” quero dizer links na internet que não fazem nada a não ser dar um tapinha na nossa curiosidade involuntária. Eles fazem pouco por nós porque têm pouco a oferecer. Nós clicamos, lemos, assistimos, e frequentemente nos sentimos mais burros por isso.
Tais links clamorosos bagunçam a internet, oferecendo fofocas de celebridades, histórias bizarras de crimes, vídeos violentos e imagens sexuais — cada link pedindo pouco mais que um clique (que pedido trivial).
Então quão sutis são esses links? Enquanto escrevo, a página inicial da CNN realça sete títulos com links como “Top Histórias”:
* Prefeito que fuma crack não renunciará
* O marido empurrado estava com os olhos vendados?
* Mulher morta em ataque de pumas
* Citações erradas alimentam os ataques de Tom Cruise
* Cervo perfurado na fronte por flecha
* Adivinhe quem está usando jeans skinny de novo
* Astronautas lavam suas cuecas?
A atração magnética que às vezes sentimos por manchetes como essas precedem a internet e o noticiário da noite. Essa foi uma preocupação abordada pelo pai da igreja Agostinho, nascido em 13 de novembro de 354 A.D. (mais de 1.600 anos atrás).

Agostinho e as Curiosidades Inúteis

Agostinho refletiu sobre as tentações que turvavam e distraíam seu próprio coração em seu clássico da história da igreja, As Confissões.
Lá ele edificou o precedente bíblico em 1 João 2.16: “Tudo que há no mundo — a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida — não procede do Pai, mas procede do mundo”.
A expressão “a concupiscência dos olhos”, Agostinho interpreta como curiosidades inúteis. Tais curiosidades inúteis não são limitadas ao visual, mas envolvem impulsos de todos os cinco sentidos.

Vaidade em Muitas Formas

A sedução das curiosidades inúteis do mundo é profundamente enraizada em nossos antepassados, e podemos encontrá-la até na curiosidade rebelde de Adão e Eva quanto à árvore no jardim. Como seus filhos decaídos, estamos todos conectados à mesma “curiosidade frívola e ávida” que frequentemente “se mascara como um zelo por conhecimento e aprendizado” e “uma sede por informações em primeira mão sobre tudo”.
No tempo de Agostinho (assim como no nosso), tal curiosidade inútil tomou muitas formas. Ela incluiu a fofoca (1 Timóteo 5.13). Ela incluiu todas as formas de mágica, astrologia e bruxaria. Ela estava por trás da vã fascinação por sinais e prodígios (Lucas 23.8). Ela estava por trás da dança lasciva no teatro. Ela estava por trás da fascinação cultural por morte, sangue e cadáveres mutilados. E ela estava por trás dos espetáculos de banho de sangue das mortes de animais e combates de gladiadores no anfiteatro.
O antigo Coliseu era um bufê de vãs curiosidades, tudo proposital.
O público amava ser entretido pelos massacres, que os imperadores alegremente financiavam para aumentar os níveis de aprovação, tudo elevado a uma vitrine popular de violência que muitos poucos filósofos pagãos questionaram.
Agostinho era uma voz contrária. Os espectadores curiosos eram participantes do mal, ele disse, e os crentes podiam facilmente ser varridos na louca paixão do evento.
De uma maneira geral, as vãs curiosidades do quarto século ofereciam a si mesmas sem interrupções. Muito antes da curiosidade de assistir alguém morrer se tornou disponível no YouTube, Agostinho escreveu: “as coisas desprezíveis que lutam por nossa atenção todos os dias são incontáveis”.

O Problema com o Lixo Inútil

Retornando ao nosso próprio tempo, eis aqui o problema: as curiosidades inúteis são pensamentos abortados. Vãs curiosidades são, por definição, deslocadas de Deus e impotentes para apontar para Cristo. Elas enchem nossos cérebros e corações com lixo perturbador temporal. “Quando nosso coração se torna uma lixeira para coisas como essa, cheia de uma carga de lixo inútil, nossas orações são frequentemente interrompidas e perturbadas por elas”.
Pior, tais links vãos reúnem um histórico de navegação que pode revelar algo trágico sobre a condição de nossa alma. Chafurdar em tal “curiosidade venenosa”, escreve Agostinho, reflete “os impulsos de uma alma que está morta, embora não morta de maneira a não se movimentar. Ela morre por abandonar a fonte da vida (Jeremias 2.13)”.

O Ponto Chave

Nada trivial escapa a atenção de Deus (Mateus 12.36). Mas é pecado curtir três minutos de um vídeo engraçado no YouTube ou novos clipes ou os feitos de homens audaciosos que você clicou através do Twitter? Talvez sim, talvez não. Depende de para onde tais vídeos levam seus pensamentos, e quais pensamentos o levaram até lá, para começar.
Há uma curiosidade inútil atraída à vaidade e ao vazio, e há uma curiosidade santificada atraída por todas as coisas que levam à beleza de Deus. Essa possibilidade é apresentada a nós em cada link.
Então Agostinho emerge da história para nos fazer três perguntas sobre nosso histórico de navegação:
* Estou buscando links que me oferecem um caminho promissor para ver mais da beleza de Deus?
* Ou, meu hábito de clicar em links é não regulado, impelido por algum capricho interior, e terminando em nada mais que minha vã curiosidade?
* Ou, o mais trágico de todos, os links que eu clico são, na verdade, apenas uma série de pequenos buracos na rua cheios de água  dos quais espero beber uma pequena gratificação para minha alma vazia?
Muitas coisas estão em jogo com o mouse ou o smartphone na mão. Que neste dia Deus possa nos dar seus recursos espirituais para que não deixemos de lado questões tão importantes nas nossas vidas diárias que parecem tão mundanas.

Fonte:http://voltemosaoevangelho.com/blog/2013/11/por-que-clicamos-em-links-idiotas-tony-reinke/